Tuesday, February 21, 2006

Schedule

6h15: Toca o despertador
6h20: Banho
6h50: Rímel. Batom cor-de-boca. Sapato social (estilo pontiagudo-de-matar-barata-no-canto)

7h: Táxi
7h25: Aeroporto de Congonhas
8h20: Portão 5, embarque
9h20: Ainda em Congonhas. Em Curitiba, todos os radares e controle do tráfego aéreo estão fora e os vôos para o Sul são temporariamente cancelados. "Eu sei, é uma situação bem esdrúxula", informa o piloto.

10h30: Aeroporto de Florianópolis. Dia ensolarado.
11h22: Entrevistas para conhecer o desempenho de uma empresa de energia. A primeira é com o diretor de produção. Precipitador eletrostático, energia botox, megawatt x megawar (reativa). Café com três gotas de adoçante. Água sem gás.
12h15: Entrevista com diretor financeiro e de relações com investidores. Porque os debêntures de R$ 200 milhões lançados para quatro anos ...

13h17: Almoço em churrascaria chique de frente para a Beira Mar. Sol escaldante. Rodízio de espeto corrido. Dispenso a maminha. Aceito a fatia de pudim de leite condensado enquanto todos se contentam com uma rodelinha de abacaxi. Abacaxi eu como em casa.

14h30: Aguardo nova bateria de entrevista. Vontade de tirar uma siesta escondida no banheiro.
14h45: Entrevista com o presidente da empresa. Despenca a maior chuva lá fora. Mais um cafezito e água.
15h50: Entrevista com o diretor administrativo e assessora de comunicação. A mulher me lembra a Ademildes, que trabalhava com a mãe na exatoria (será que todo mundo sabe o que se faz em uma exatoria?).
17h30: Última entrevista, com o diretor de planejamento de controle. Ainda bem que trouxe o gravador, pois a minha mente só pensa em andar na praia.
18h50: Agradecimento e despedidas.

19h13: Passo em frente a uma loja natureba, compro "banana chips", doce e salgada (parece batatinha frita mesmo).
19h27: Encontro a Talia.
20h31: Lagoa da Conceição. Empanada de brócolis com massa integral e chá mate com limão.

21h28: Caminhada dentro da lagoa, a água morna batendo nas canelas. É tempo de lançar tarrafas. O pescador joga uma sobra para a gaivota, mas o peixe é muito grande. Ficamos cinco minutos acompanhando se ela será capaz de engolir o dito cujo. E nada. Resolvemos seguir andando.

22h37: Encontro a Cleide num barzinho. Não consigo desviar o olhar do nariz dela. Leva-se um certo tempo para decorar a nova fisionomia pós-plástica. A Talia nunca nem notou qualquer mudança.
22h51: Final do ensaio da escola de samba União da Ilha da Magia. Batucada e um passista achando que é o mestre-sala da Mangueira.
23h05: Bar no centrinho da lagoa. Açaí com kiwi e batida de maracujá. E dá-lhe papo!

00h38: Conheço a nova casa da Talia no Campeche. A mudança será feita depois do Carnaval :)
1h20: Banho. Mais papo. Ajeito o despertador para às 8 da matina. O vôo pra Sampa será às 10h20.
2h: Durmo. Feliz, feliz....

Pensamento do dia: depois da saudosa era riponga estudantil, quem diria que eu chegaria de unhas vermelhas e roupa social para trabalhar em Floripa! Por sorte, não fui descoberta.

1 comment:

Camila said...

Depois de tanto falar dos meus saltinhos e da minha vida perua, te tornaste uma, hein nega? Não precisa se esconder, não, que eu fico orgulhosa!! hahahaha
E eu nem sabia que a Cleide tinha feito plástica. E precisava??