Monday, October 30, 2006

Entenda mais sobre a Amazônia

* O bioma da Amazônia possiu quase 8 milhões de quilômetros e está em nove países da América do Sul: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela. No Brasil, são 4,1 milhões de quilômetros quadrados.

* A Amazônia Legal é um conceito criado na década de 1950. Em 1996, o governo federal passou a empregar essa divisão administrativa, que inclui os Estados da Região Norte (Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia, Acre e Amapá) e os Estados em que se situam as bordas da Amazônia: Maranhão, Tocantins e Mato Grosso. Ela soma 5,5 milhões de quilômetros quadrados e 18 milhões de habitantes.

* A floresta abriga 2.500 espécies de árvores e 30 mil plantas. As florestas inundadas ocupam 8% do bioma da Amazônia.

* Na Amazônia vivem 170 povos indígenas e 357 comunidades remanescentes de antigos quilombos.

Fonte: Brasil Sustentável. Aliás, um beijão para meus companheiros da revista!

Sunday, October 29, 2006

Duplamente PT

No Estado do Pará, a candidata petista Ana Júlia também ganhou o segundo turno para governador contra o PSDB.

Eu tentei justificar em Cachoeira do Aruã, mas estava sem o título de eleitor. Falei com muitos moradores das comunidades vizinhas (e distantes!) que andaram mais de oito horas pela mata fechada só para vir votar. Todos esperando ansiosos na fila da urna eletrônica, vestindo suas melhores roupas, com os filhos a tiracolo. O patriotismo me comoveu. Eita povo sofrido que não perde a esperança. Que o partido do Lula capriche mais nesta reeleição.

Depois da votação, pegamos um barco extremamente pinga-pinga pra começar a volta para Santarém. A cada cinco minutos chegavam mais passageiros, sacos de farinha, toras de madeira e redes para serem penduradas. Vagarosidade calorenta. Respire!

Saturday, October 28, 2006

Vitória-régia, Internet e Molecada

Uau! Escrevo do mais novo centro de internet via satélite da floresta paraense! As 60 famílias que moram em Cachoeira do Aruã têm disponível uma natureza exuberante, energia elétrica por conta de uma mini-central hidrelétrica e internet rápida. Aqui eu dei uma Oficina de Comunicação para informatizar o jornalzinho local, o "Folha de Aruã". Oito jovens repórteres participaram e foi outra super rica experiência para mim. Normalmente, o jornal é feito a mão, reunindo também desenhos e poesias. Depois de pronto, é enviado de barco até Santarém para ser xerocado e depois volta pra comunidade. E olha que são, no mínimo, doze horas de barco. É desta forma que funciona toda a Rede Mocoronga de jornais comunitários. Antes que você pense besteira, mocorongo é quem nasce em Santarém. O pessoal fica tão grato em receber os conhecimentos, são tão calorosos, que eu penso que coragem, mesmo, é deixar de vir para Amazônia! A boa notícia do dia: o Leonardo chega no dia 21 de dezembro!!!! E já sinto tantas saudades... arf arf

Eu ía escrever mais na última vez, mas nem conto que no mesmo dia que cheguei de viagem da comunidade de São Francisco, me chamaram para vir até Cachoeira do Aruã continuar o treinamento. Vim feliz, claro! No caminho, muitos imprevistos. O motor da "voadeira" (pequena lancha) do Saúde e Alegria quebrou. Contratamos um tiozinho para nos trazer em um barquinho (chamado de rabeta) que encalhou váaarias vezes porque o nível do rio está baixíssimo por conta da seca. Para se ter uma idéia, eu até saí do barco para fazer xixi e embarquei de novo. A noite veio e nada da gente chegar. Encalha, empurra o barco, procura o "canal", encalha, aaaaaaaaaa. Por milagre apareceu um pescador que nos guiou em frente. Tive certeza de que por esses lados, a tal "previsão de chegada" é sempre furada.

Vocês já ouviram falar em "pousada de rede"? Pois estou numa delas. Você paga para dormir em um varandão, sem paredes, e com apenas ganchos para colocar a sua rede de dormir. Estilo de vida paraense. E alguém já viu quarto de hotel sem janela?! A-há! Andei procurando lugar para ficar em Santarém e, pasmem, cobra-se R$ 1.200,00 de diária por mês para ficar em um quarto single, sem janela, com cheiro de mofo, uma TV, frigobar e ar-condicionado. É de cortar os pulsos.

Três novas frutas goela baixo: juru (que não tem gosto de nada); muruci (um azedinho estranho) e ingá (delicioso!). Comer tapioca no café da manhã já é de praxe. Com suco de açaí. Hmmmm

Resolvi ficar mais uns dias por aqui com outros amigos, que viajam de veleiro. O Fábio é o médico do Saúde e Alegria e está aqui junto com a esposa Adriana, um casal de franceses, o Zé e a filha Jacira e uma inglesa. Todo esse grupinho animado viajou ontem até São Francisco do Alto Aruã. Mais um sonho realizado: viajar por rios estreitos, vendo a mata virgem, pássaros... (Sabe aquelas cenas do Rambo procurando os vietcongs escondidos pela selva? HAHHAHHAHAH)

Eleições 2006! Vou esperar a urna eletrônica itinerante para justificar. Que vença o Lula!
Volto pra terra firme na terça ;) Publicarei muitas fotos, prometo. Enquanto isso, muito banho de cachoeira e brincadeiras com a molecada.

Frase do dia: "Por que sou tamanho do que vejo. E não do tamanho da minha altura" Fernando Pessoa

Monday, October 23, 2006

Virei gaúcha?!

Essa é boa. Para muitos paraenses, quem nasce do Mato Grosso do Sul para baixo é chamado de gaúcho. Paranaense é gaúcho. Catarinense é gaúcho. Já quem vem do Nordeste, recebe o apelido de"arigó". Tem muito cearense vendedor de redes e são considerados os turcos brasileiros. Nem adianta pechinchar muito. Daí perguntei como eles chamam os vizinhos do Amazonas? Índios... E assim vai se compondo o povo brasileiro e suas pecuinhas interestaduais :)

Os santarenos torcem um pouco o nariz para quem vem do Sul, pois recentemente veio uma safra de produtores do Rio Grande do Sul e do Paraná para plantar soja, que anda acabando com a floresta. Bom, quero dizer, nem todo mundo. Apesar de todo trabalho de educação ambiental e da atuação das ONGS de preservar a maior floresta do mundo, os moradores locais acham que esses movimentos na verdade atrasam o progresso econômico. Povo com fome querendo trabalho e condições dignas de viver. O dilema promete ser eterno.

Mas eu quero mesmo é falar sobre a incrível viagem que fiz com a equipe do Saúde e Alegria. Foram sete horas de barco até chegar em São Francisco, comunidade ribeirinha do Arapiuns. Vinte famílias vivem isoladas lá, dependendo de um gerador a diesel para ter luz das 18 às 21 horas. Uma família ribeirinha tem em média seis integrantes: pai, mãe e quatro rebentos.

Ontem dei uma oficina de comunicação para os jovens. Fizemos um super boletim informativo, com três reportagens, entrevista, enquete e seção cultural. Resgatei o velho "O que? Quando? Como? Onde? Por que?" do jornalismo :) Fiquei muito surpresa e encantada com o resultado.

Também fiz minha estréia como palhaça! EEEEE Eu, Danielle e Raquel dançamos o funk "Banho de Sabão"... " Quer lavar, quer lavar, o tiozão vai te ensinar (bis). Só passar sabão na mão, assim, assim ...". Bom, quem me conhece sabe que eu não fujo de micos! Ainda mais quando é para agradar criancinhas carentes de novidades :)

Dormir no barco
É muito gostoso. Como não é fechado, dorme-se na rede sentindo a brisa do rio. Ao contrário do que pensava (eeeeee) NÃO TEM BORRACHUDO OU NENHUM MOSQUITO! OS temíveis "carapanãs" picam nas margens do Rio Amazonas, que tem águas barrentas e bastante "vitalidade animal". Nos rios Arapiuns e Tapajós, as águas são claras, sem sedimentos, sem muitos peixes, e livres de mosquitos. Ou seja, é só aprender a dormir na diagonal na rede (pra coluna ficar reta) que tá beleza.

Thursday, October 19, 2006

Direto do encontro dos rios Tapajós e Amazonas

Me disseram que eu trouxe chuva para o Pará. O que por aqui é uma benção.

Desembarquei ontem, às 15 horas em Santarém, após uma escala em Manaus, no Amazonas. Aqui o fuso horário tem uma hora menos que em Brasília. Clima nublado, misteriosamente ameno para esta época de seca. Dormi ouvindo as gotas de chuva, o barulhinho de morcegos e muitos grilos.

A emoção de conhecer a tão falada região amazônica começa certamente dentro do avião, sobrevoando a vastidão de verde que não acaba mais e rios laaaaaaargos e extensos. O melhor: a partir de amanhã será a vez de sentir de perto o cheiro e o movimento das águas doces. Durante três dias vou percorrer de barco, juntamente com a equipe do Projeto Saúde Alegria, o Rio Arapiuns. Iremos disseminar o programa Superação Jovem nas comunidades ribeirinhas, que tem o objetivo de mobilizar esse público para os problemas da região e desenvolver potenciais, sempre respeitando a cultura local.

O Magnolio, coordenador da parte de Educação e Comunicação da ONG, avisou que eu preciso de apenas três coisas por aqui:
- Rede de dormir
- Escova de dentes
- Havaianas
Bom, acabei de comprar o que faltava: uma rede! Eeeee Resta saber o quanto a minha coluna vai amar dormir três dias nela. Bom, aventuras são para isso, não?

A cidade de Santarém tem 300 mil habitantes (a segunda maior depois de Belém) e carece de muita infra-estrutura. O blábláblá de desenvolvimento da indústria da soja definitivamente não anda revertendo os benefícios prometidos para a comunidade local. Passei o dia vendo DVDS de alerta do Greenpeace. E a luta continua, enquanto o desmatamento aumenta os buracos no verde e os produtores de soja fazem terrorismo para expulsar os pequenos agricultores de suas terras.

Imagem do dia: na beira da cidade dá pra ver fácil fácil o encontro das águas barrentas do Amazonas com as águas claras do Tapajós :)

Obrigada especial: aos amigos da Vivi, Daniel e Merian, que estão dando uma super força neste início.

Comida nova do dia: peixe com molho de tucupi e "orelha de macaco" (um tipo de agrião local)

Frase: Saúde, alegria do corpo. Alegria, saúde da alma.

Tuesday, October 17, 2006

Correria plena

Fiquei muito feliz com tantas mensagens queridas pelo meu aniversário. É sempre muito bom contar com tantos amigos chuchuzinhos. Não tive tempo de responder a todos por conta do corre-corre dos preparativos.

Hoje me rendi à minha primeira máquina digital para facilitar o processo lá na região norte. Obrigadíssima pela ajuda, Pepe! Agora vou pra casa enfiar tudo na mochila. Sim, mãe, eu vou amanhã no posto de vacinação em Guarulhos me prevenir contra a febre amarela. Arfffff, essa pressão familiar.

Escrevo assim que possível de Santarém. Chegarei lá amanhã, por volta das 15 horas. Que venha o calor!

Thursday, October 12, 2006

Hoje, eu só tenho a agradecer


Há pessoas que não curtem comemorar aniversário. Pois bem, eu comemoro por elas então!

Hoje é um dia que, inevitavelmente, faço aquele balanço de reveillon. O que eu já vivi, onde posso melhorar e, principalmente, de que forma posso retribuir todas as bençãos que vivo recebendo.

Afinal, completo 29 anos e ainda tenho meus pais vivos, irmãs que me dão muito orgulho (a Kelly conseguiu doar a medula óssea e salvou uma vida e a Cinthia tá esforçadíssima no estágio de nutrição no Texas), tenho saúde (o ombro com tendinite não conta pois já está 90% curado), um namorado que amo e que me ama (Tuti! Tuti! Tuti!), uma sede inesgotável de conhecimento que me enche de energia em busca de novos projetos, tenho o Dharma que confio (ensinamentos budistas que me tocam profundamente... Tudo é impermanente!) e muitos, MUITOS amigos... Dudu, Paulitcha, Cilene, Carol, Camilinha, Tati, Gil, Vivi, Mariane, Talia, Naomi, Dani Zen, Dani Barbará, Walter, Juju, Andrea, Iracema, Rita, Silvia, Paula Rozin, Pepe, Mick, Michellè, Eliza, André, Renata, Scheilla, Lu Tie, Marco, Francine, Fabi, Flavia... e a lista seeeeegue.

Repetindo o título: hoje, eu só tenho a agradecer! Porque o todo de vocês reflete o que sou. E inspira felicidade.

Encontrei um belo texto escrito pela fofa da Monja Coen. Na verdade, é uma lista de todo o aprendizado que ela adquiriu. Abaixo, seleciono os trechos que, aos 29 anos, eu posso dizer "eu sei!"

"Hoje eu sei

Hoje eu sei que a compaixão é capaz de transformar o mundo e transformar o ser.

Hoje eu sei que é possível "musculação de neurônios" através da meditação e do pensamento amoroso, terno, inclusivo, compreensivo, sábio.

Hoje eu sei que não sei, que não há nem mesmo um "eu" que sabe e não sabe.

Hoje eu sei que somos co responsáveis pela realidade em que vivemos, pelo mundo em que estamos e que não adianta reclamar, é preciso agir para transformar.

Hoje eu sei que a juventude passa, os amores passam, a velhice passa, os desamores passam. Tudo é transitório e passageiro. O que se une inevitavelmente se separa. E assim é.

Hoje eu sei que a pessoa mais forte é aquela que se bende primeiro - assim como o bambu - flexível.

Hoje eu sei que é preciso sentir, que a indignação é uma alavanca para as grandes transformações e que as grandes transformações são feitas de pequenos gestos simples no dia a dia.

Hoje eu sei que a vida vale a pena ser vivida em sua plenitude deste instante eterno.

E tudo que temos é este instante. Aqui e agora.

Mãos em prece
Monja Coen" (leia o texto completo).Posted by Picasa

Direto do túnel do tempo: meu aniversário em em 2004 (na Inglaterra, jogando paintball e bebendo com meus amigos do Blue Bar) e em 2005 (no Grazie a Dio, em Sampa)

Foto: www.fotolog.com/buddha

Wednesday, October 11, 2006

Empanadas com Carline


Dia das Crianças se comemora com cuba libre! Pelo menos no meu caso ;)

Sim, a donzelinha aqui comemora aniversário amanhã. Quer participar? Anota aí o endereço do boteco:

Empanadas Bar
Rua: Wisard, 489 , Vila Madalena (claaaaro)
A partir das 16h11.

Namastê! Posted by Picasa

Tuesday, October 10, 2006

É muita mazela para uma região só!

Hoje conheci a sede e o pessoal da ONG Repórter Brasil. O trabalho deles me inspira e causa muita admiração, principalmente nas ações de combate ao trabalho escravo.

Procuro saber de que forma posso contribuir com eles, enquanto estiver na região Norte. Confesso que saí do encontro zonza com tanta informação para correr atrás. É grilagem de terras, desmatamento, trabalho infantil, trabalho escravo, soja ilegal, agronegócio predador. Bom, nada que seja muita novidade, mas que ganha bem mais força com nomes a entrevistar e tristes estatísticas que detalham o cúmulo das injustiças sociais.

* Entre 1995 e meados de 2005, quase 32 mil denúncias de trabalho escravo haviam sido registrados pela Comisão Pastoral da Terra em 19 estados. O Pará é o recordista, com mais de de 15 mil denúncias, seguido pelo Mato Grosso.

Segue um artigo muito completo que a Repórter Brasil produziu: "Internacionalizar pra quê? A Amazônia já está sendo vendida"

Suspiro do dia: Gostaria de estar mais preparada para enfrentar esta realidade :-/

Monday, October 09, 2006


Ana Beatriz, imperdível!Posted by Picasa A bela filha da Mariane e do Leandro

Eu e a fofurinha, em Brusque Posted by Picasa

Sinopses

Contagem regressiva pra Amazônia: embarco daqui a 10 dias. Yeah! Com a passagem comprada, é hora de estudar o local e planejar os passeios? Não exatamente. Procuro me informar apenas sobre os quesitos sobrevivência: o quão quente é realmente esse clima úmido-pegajoso, se devo tomar ou não vacina contra febre amarela. O resto, é lá mesmo!

Acho que correr pra internet para conhecer os mínimos detalhes do que vou encontrar em Santarém, a fim de traçar uma lista de pontos turísticos "imperdíveis" é uma atitude, no mínimo, claustrofóbica. Gosto de assistir DVD sem ler a sinopse. Desconhecer a trajetória renomada do diretor, ou a pontuação dada pelos críticos de cinema. Opto em ver o filme com novos e abertos olhos, que não são escravos de expectativas. Isso sim é aproveitar a experiência. E vale, principalmente, na hora de viajar.

Lembro-me de estar sentada no vagão do trem indiano rumo a Jodhpur, faltando apenas 20 minutos pra chegar, e só aí abrindo o guia Lonely Planet para verificar as opções de hospedagem. A "cidade azul" acabou por se revelar a si própria, por meio de dicas de moradores locais, que sempre me levaram bem mais a fundo do que o exposto nos cartões-postais. Neste mesmo estilo, sigo dia 18 de outubro para o Pará. Absolutamente sem idéia de como sobreviver na temperatura mínima de 37 graus (na sombra?). Ah, como isso me deixa de bom humor!

Compartilho um trecho que acabo de ler em "Divã", o novo livro da escritora gaúcha Martha Medeiros, emprestado pela Cilene.

"Minha primeira vez fora do país foi como a primeira vez fora de mim. Não senti pavor, não tive vergonha, não segui planos. Eu estava para o que desse e viesse, absolutamente disponível para o desconhecido. Uma estréia sem ensaio, sem texto decorado, tudo acontecendo no seu devido ritmo e provocando reações espontâneas.

Quando voltei para o Brasil, meses depois, passei a me perguntar qual a razão de eu não me comportar assim na minha própria terra. Decidi que daquele momento em diante eu seria menos previsível, que daria uma chance a todas as emoções que não fossem previamente combinadas".

Que a semana seja repleta de emocões não combinadas ;) E os meus 29 já estão batendo à porta!

Monday, October 02, 2006

Vou me mudar para a Tailândia!

Meus três bons motivos:

Rouba, mas faz!
"Deputado federal mais votado do País, Paulo Maluf (PP) negou ter buscado a volta ao Congresso para se proteger de eventuais processos na Justiça. (...) Depois de ter passado cerca de 40 dias preso em 2005, acusado de crimes contra o sistema financeiro, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Maluf foi eleito com 739 mil votos... " (www.terra.com.br)

Vocês vão ter que me engolir
O senador eleito Fernando Collor de Mello (PRTB) "pretende ainda usar o mandato para apresentar a sua versão dos fatos que o levaram a deixar a Presidência. O ex-presidente renunciou, em 1992, após abertura do processo de impeachment no Congresso. "Em sessão no Senado, explicarei à nação, os motivos reais do meu afastamento". (www.terra.com.br)

Não sou passivo
"Ele já foi estilista, apresentador de TV, fez musical, teve câncer de próstata, foi operado. Agora, Clodovil Hernandez, 70, obteve uma das maiores votações do país como deputado federal pelo Partido Trabalhista Cristão (SP). (...) Qual a primeira coisa que fará em Brasília? 'Quero ser apresentado à minha sala, à minha mesa.' Principais projetos? 'Não tenho projetos. Não nasci lá dentro, vou ter de aprender tudo.' Clodovil protagonizou alguns hits da eleição, como a frase 'Não sou passivo'." (www.uol.com.br)

Viva a democracia brasileira!