Thursday, August 19, 2010

Drauzio Varella e a falta de comprovação científica para o uso de ervas e chás medicinais

O médico Dráuzio Varella, em entrevista à Cristine Segatto, faz duras críticas ao emprego de medicina popular. Será um novo quadro do Fantástico e deve trazer bastante polêmica. Compartilho alguns trechos abaixo, mas você pode ler o artigo na íntegra, clicando aqui.

"ÉPOCA – Ervas medicinais servem pra quê?
Drauzio Varella – Mais da metade dos medicamentos são derivados dos produtos naturais. A morfina e a aspirina são alguns exemplos. Ervas e chás são usados desde sempre. Galeno desenvolveu no século II uma poção que tinha mais de 70 ervas. Até carne de cobra tinha nessa poção. Era usada tudo o que você pode imaginar. Essa poção foi usada até o século XIX na Europa. Foram acrescentando outras coisas. Chegou a ter mais de cem plantas misturadas. Era uma panaceia. À medida que a química analítica foi se desenvolvendo, especialmente na Alemanha, eles começaram a procurar nessas plantas quais eram os princípios ativos. Da papoula, os alemães isolaram a morfina. De outra planta, isolaram a aspirina. Foi assim que a farmacologia se desenvolveu. Mas a tradição de usar chás sempre existiu. Todos nós temos na família um chá predileto. Uma coisa é dar um chá de camomila para criança. Isso é feito há séculos e a gente sabe que não faz mal nenhum. Ou chá de erva cidreira para acalmar, para dormir etc. Outra coisa é usar chás para tratar de doenças. Essa é uma medicina extremamente popular, mas é um problema.

(...)
ÉPOCA A Organização Mundial da Saúde de certa forma incentiva o uso desses produtos naturais porque a maioria da população mundial não tem acesso à medicina. Nesse contexto, as ervas não têm um papel importante?
Drauzio – Acho que esse é o cerne da discussão. É um absurdo dizer “olha, já que vocês não têm acesso à medicina se contentem tomando chazinho”. Isso é enganar a população. É dar a impressão de que as pessoas estão sendo tratadas quando na verdade não estão. Antes de oferecer essas ervas aos pacientes, é preciso avaliar a ação delas com rigor científico. Por exemplo: como saber se um determinado chá traz algum benefício contra a gastrite? É preciso separar dois grupos de pacientes. Um deles toma uma droga conhecida, como o omeprazol. O outro toma omeprazol e mais um chá que vem num sachê junto com uma bula que explique direitinho quantos minutos aquilo tem de ficar na água etc. Aí é comparar os resultados obtidos nos dois grupos. Não existe estudo assim. E ninguém está disposto a fazer. Os defensores dessa chamada medicina natural querem que o mundo aceite que é desse jeito e acabou. Sem nenhum estudo e sem passar por todo processo de avaliação científica que os medicamentos passam para poder ter a ação demonstrada.

ÉPOCA – O Ministério da Saúde errou ao adotar essa política?
Drauzio – Essa medida está totalmente errada. Isso não deveria ter sido feito de jeito nenhum. O que está por trás disso é uma questão política. Imagine se eu fosse o prefeito de uma pequena cidade do interior. Quanto custa um posto de saúde, médico, enfermagem, paramédicos etc? Custa caro. É muito mais barato fazer uma horta e mandar o médico receitar aquilo. E ainda inauguro o negócio com o nome de Farmácia Viva. Imagine só que nome mais inadequado. Fazer uma coisa dessa não custa quase nada. E os políticos adoram inaugurar essas hortas. Há centenas delas no Brasil.

ÉPOCA – Que realidade vocês encontraram durante a apuração das reportagens?
Drauzio – Descobrimos muitas histórias. Em Belém, estivemos na sede da Embrapa. Encontramos lá um engenheiro agrônomo que dá consultas. Você diz que está tossindo, com febre e ele te dá um xarope de guaco. Isso é feito dentro de um órgão público, oficial. O paciente que vai lá é tratado por um engenheiro agrônomo. Isso é aceito como se fosse uma coisa normal. Há uma ideologia por trás disso. É a ideologia de que as coisas naturais são melhores, de que os remédios fazem mal para a saúde, de que a tradição é melhor que a ciência. É uma coisa do século passado. A população de baixa renda está nas mãos de pessoas como esse engenheiro agrônomo. Ele faz isso de boa fé. Não faz para ganhar dinheiro. Ele acredita no que faz. Mas estamos numa área em que as crenças individuais não têm a menor importância."

O que eu acho? Que testes científicos são sempre muito bem-vindos, claro! Mas se dependermos deles para começarmos a tratar as doenças de modo alternativo, ficaremos esperando eternamente. Pois toda a pesquisa exige financiamento e grandes laboratórios certamente têm mais interesse em estudar suas próprias patentes do que as propriedades da babosa, que cada família pode cultivar no jardim de casa.

Como se alcança o caminho do meio?

2 comments:

LeoJandre said...
This comment has been removed by the author.
LeoJandre said...

Ótima questão Carline. :)

Bom, ciência (medicina incluso) fundamentalmente é uma das filosofias de consulta à natureza e busca da audição correta da resposta, seu registro e publicação.

Independente de grandes laboratórios as pesquisas acadêmicas avançam nas universidades públicas e também a tradição oral transmite-se ainda em família.

Eu mesmo conheci um apicultor orgânico que destila cachaça com mel e ervas da própria lavra para a família num dos bairros rurais que visitei em Foz. Trouxe uma de mastruz com carqueja que é muito amarga e indicada para problemas digestivos.

E é essa a raíz histórica da descoberta de todos os remédios é essa: Alquimia de fundo de quintal... Na história muito anterior as vacinas, antibióticos e outros medicamentos modernos cuja especialização e concentração buscam o centro da causa dos sintomas.

O que o artigo ressalta é que há sintomas comuns às doenças mais leves e mais graves, (Xarope de Guaco é ótimo para tosse causada por irritação simples e ineficaz contra tuberculose ou pneumonia... Agora imagine beber ervas diluidas na cachaça para mal de estomago sofrendo de cirrose ou hepatite?

Carline, você mesma já visitou um/a dermatologista para examinar suas manchinhas marrons na pele pex.?
)

Cabe ao serviço de saúde (SUS ou particular) diagnósticar corretamente por exames e anamnese antes de receitar este ou aquele tratamento, seja alternativo ou não.

Sou favorável ao tratamento menos invasivo e mais efetivo avaliado caso a caso. ;)
Leo. (he)²