Thursday, January 06, 2011

Eu sempre dancei

Leiturinhas desse janeiro....

Resgatei o livro A Alma Imoral, de Nilton Bonder, que havia emprestado. Que inspirador...

"(...) Aqueles que se permitem as transgressões da alma com certeza são vistos e recebidos pelos outros como estrangeiros. Os que mudam de emprego radicalmente, os que refazem relações amorosas, os que abandonam vícios, os que perdem medos, os que se libertam e os que rompem experimentam a solidão que só pode ser quebrada por outro que conheça essas experiências.

A natureza da experiência pode ser totalmente distinta, mas eles se tornarão parceiros enquanto 'forasteiros'."

Me jogo agora na cama para ler as últimas 20 páginas de A Ilha Sob o Mar, de Isabel Allende. E não é que a obra ganha bastante ritmo neste final...

"Minha primeira lembrança de felicidade, quando era uma pirralha magrela e desgrenhada, é a de me mexer ao som dos tambores...

A música é um vento levado pelos anos, pelas lembranças e pelo temor, esse animal preso que carrego dentro de mim.

Com os tambores desaparece a Zarité de todos os dias e volto a ser a menina que dançava quando mal começava a andar.

Bato no chão com as solas dos pés, e a vida sobe pelas minhas pernas, percorre meus ossos, apodera-se de mim, acaba com a minha tristeza e adoça a minha memória.

O mundo estremece. O ritmo nasce de uma ilha sob o mar, sacode a terra, atravessa-me como um relâmpago e segue em direção ao céu, levando as minhas aflições...

'Dance, dance, Zarité, porque escravo que dança é livre... enquanto dança.'

Eu sempre dancei."

Bons sonhos.

1 comment:

kikkss said...

Dance, Carline! Acho que AGORA chegou meu momento de Alma Imoral... Que em 2011 tenhamos muitas piscinas com água no tornozelo para suavizar nossa dança! beijos