Wednesday, January 13, 2010

Quando o "é pra ontem" não serve mais

Estava prestes a sair de casa rumo ao Yoga Flow quando toca o telefone. Atendo e era uma proposta de trabalho, jornalisticamente falando. Quem oferecia explicou que havia recebido excelentes referências sobre o meu trabalho, fez resumo das atividades previstas e tal.

Agradeci, disse que sou excelente mesmo (hahahahah, ninguém me segura após ler The perfection of Marketing, de James Connor), e fiz a tradicional pergunta: qual é o prazo de entrega?

A-di-vi-nha?!!!

"Olha, eles começaram o processo atrasado, está tudo meio enrolado e ninguém tem experiência em GRI. É pra ontem".

Antigamente, eu achava uma boa cobrar a mais para mergulhar e apagar esses incêndios. E lá se íam os finais de semana de janeiro, fevereiro e março. Me apropriando da linguagem corporativa, hoje vejo que minha paz de espírito é um "valor intangível", cujo preço é impossível de estimar.

Ou seja: se o trabalho é pra ontem, deveriam ter me contratado anteontem.

2 comments:

Re Mendes said...

Ameiiiiiiiii!!!!! Ta certissima... nao entre na loucura dos outros!!

Andrea said...

Muito bem Carli :)