Saturday, April 29, 2006

A simplicidade que toca o coração

Pouco se importando com o protocolo, o Dalai Lama age em seus discursos como se estivesse tomando chá da tarde na casa de amigos.

Aproveita para limpar o óculos na vestimenta (com direito a abrir a boca e dar aquela embaçada na lente arh-arh), coça a cabeça, o braço, tira e põe o sapato (para sentar com as pernas cruzadas), sorri para as câmeras e conta piadinhas. "Até os animais demonstram sentimentos como a compaixão. Bom, acho que exceto os mosquitos. Nunca vi nenhum mosquito demonstrando afeto. Talvez o cérebro deles seja pequeno demais?!" E se acaba de rir.

No último dia de ensinamentos, mais especificamente no Ginásio do Ibirapuera, o Dalai Lama ressaltou a importância de manter a paz de espírito e a mente serena.

Deixou claro também que é preferível encontrar a verdade na religião em que fomos criados. "Certamente Jesus Cristo foi um grande mestre, que já fez diferença na vida de milhares de pessoas. Sob a pespectiva do Budismo, Cristo foi alguém extraordinário, provavelmente a reencarnação de algum buddha ou bodisatva".

2 comments:

Camila said...

Taí, gostei do senso de humor desse cara. Pessoas bem-humoradas vão longe. Eu já sabia, mas taí a prova.
Tu leu o e-mail que mandei, dizendo que a Sara Stopazolli está pregando o desapego que nem tu? Me matei de rir aqui! :)

Mariana said...

não é fácil ter esse senso de humor e estar sempre tranquilo.
Com todas as coisas que tenho pra fazer em Itaim Bibi durante a semana e também os finais de semana, que sempre estou dum lado para outro comprando coisas...