Thursday, June 21, 2007

... talvez compreendesse mais...

Ele se apresentou sorridente dizendo que nunca faria a minha aula de yoga. Estranho modo esse de se aproximar. "Gosto da meditação, isso de ficar sofrendo com o corpo tentando alongá-lo não é comigo. Curto fazer algumas posturas (ele me mostra a da árvore), mas essa de pegar no pé, esticar na lateral, tô fora". Saiu desatando a falar, do que gosta e o que não gosta. Cantarolei mentalmente a música do Luiz Melodia... "se a gente falasse menos, talvez compreendesse mais/Teatro, boate, cinema/ Qualquer prazer não satisfaz..."
E é nesse movimento de apego-aversão, o que eu gosto/odeio, o fácil/difícil, que reside o sofrimento. Buscamos o contentamento somente nas coisas boas, sofrendo ao tentar manter distante (em vão) os aborrecimentos, os obstáculos, os momentos desagradáveis de nossas vidas. O bonito do Yoga é justamente aprender a respirar sempre, principalmente em momentos de tensão. A postura está difícil? Respira, relaxa, daqui a pouco tudo passa.
O corpo, então, começa a equilibrar a mente. E vice-versa.
Foto: Carol Cordioli (eu no Ibirapuera)

1 comment:

Poivrier said...

Toda vez que ouço esta canção lembro deste post...