Tuesday, June 03, 2008

Amo muito tudo isso????

Sexta-feira, 10 horas, bebendo um "Café Premium" no McDonald´s ao lado do metrô Ana Rosa, onde aguardava a Cilene para ir para a Conferência do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social.

Ela se atrasou por conta do trânsito e eu tive a infeliz oportunidade de presenciar uma cena MUITO triste.

O então gerente de plantão, que posteriormente apresentou-se como Bruno, apesar de estar usando um crachá escrito “Jefferson”, entrevistou, de forma lamentável, três candidatos para vaga de trabalho - os mesmos da raça negra, aparentando em torno de16 anos.

Em vez de chamá-los a um local reservado, conversou com os mesmos, em pé, juntamente às portas de entrada do recinto, na frente dos demais funcionários do balcão de atendimento e dos clientes.

O que presenciei foi chocante. O tal Bruno, de forma intimidadora, chamou uma das funcionárias da rede McDonald's que estava limpando o chão para “relatar a sua experiência de trabalho” aos dois candidatos que restaram da seleção inicial. Reproduzo as palavras citadas no diálogo:

Gerente: Você que foi contratada há um mês, conta para eles quantas vezes você já chorou no trabalho?
Funcionária (constrangida, quase sussurrando para responder): Algumas.

Gerente: E quantas vezes você já tremeu?
Funcionária: Algumas.

Gerente: E quantas vezes você já teve raiva do gerente?
Funcionária: Algumas.

Gerente: Conta para eles: você ganha muito, médio ou pouco?
Funcionária permaneceu em silêncio, de cabeça baixa.

Gerente: Pode responder, vai.
Funcionária: Pouco.

Gerente: E você trabalha sábado, domingo e feriado, correto?
Funcionária: Sim.

Gerente: Ok, pode continuar o seu trabalho.

E, dirigindo-se aos dois jovens:
Então, vocês pensam aí se querem isso mesmo para a vida de vocês”. Deu as costas e voltou aos afazeres dentro do balcão de atendimento, enquanto os dois candidatos se entreolhavam, absolutamente emudecidos.

A atitude do gerente me remeteu fortemente à figura de um capataz, buscando reforçar - na presença dos outros funcionários (afinal, por que essa entrevista não foi realizada em uma sala privativa?) e dos candidatos às vagas - o seu poder mesquinho de autoridade e as péssimas relações trabalhistas que passariam a ser subordinados.

A Cilene chegou e eu entrei no carro com a situação entalada na garganta. Decidimos voltar juntas para dar o barraco em nome da sustentabilidade.

O tal Bruno (ou Jefferson?) se justificou alegando que “não estava mentindo”, apenas “deixando claro” como é a rotina de trabalho no McDonald's, com muita pressão, principalmente nos horários de pico. “Nesse lugar, o nível de rotatividade dos empregados é de 80%, 90%, ninguém pára aqui”, disse o gerente, que não considerou humilhante a sua atitude de chamar uma funcionária para relatar, de forma constrangedora, o péssimo ambiente de trabalho. Apenas admitiu ter errado em não reservar um espaço mais adequado para as entrevistas, justificando que tinha muitas outras tarefas ao mesmo tempo.

A situação me fez questionar como o McDonald's aparece, desde 1997, na lista das 100 Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil, ranking publicado pelas revistas Exame e Você S/A, e quais são os benefícios realmente oferecidos a esses jovens contratados?

Em seu website, o McDonald's ostenta: “Desde seu início na empresa, o funcionário aprende a lidar com todas as áreas. Por conhecer todo o processo multidisciplinar, o profissional desenvolve espírito crítico para opinar e influenciar as mais diversas decisões”.

Para mim, particularmente, soa como piada de mau gosto. E fica claro que, se um funcionário em cargo de gerência não tem nenhuma habilidade de liderar (o que mostrou este caso), isso só pode ser um reflexo da relação de trabalho (e poder) que a empresa permite que seus funcionários exerçam.

Para quem chegou a ler até aqui, vale seguir conferindo as maravilhas ilusórias publicadas no site institucional:

Orgulho da Nossa Gente

Com 34 mil funcionários, o McDonald's é um dos maiores formadores de mão-de-obra do país. Todos os anos, a empresa realiza o sonho do primeiro emprego de milhares de jovens. Atualmente, cerca de 70% dos atendentes tiveram sua primeira oportunidade profissional no próprio McDonald's. Do atual quadro de funcionários, 87% têm menos de 21 anos de idade, o que consolida a imagem da empresa em ser um grande gerador de postos de trabalho para jovens no país. A partir da contratação, o McDonald's oferece um sólido treinamento para seus funcionários, além de plano de carreira e uma série de benefícios. (...)

Melhor empresa para se trabalhar
O compromisso do McDonald's com seus funcionários de ser o melhor empregador e oferecer uma experiência única de desenvolvimento profissional e pessoal é plenamente reconhecida pelo mercado e pela mídia especializada. Parceiro do McDonald's, o Senac - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial já concedeu a funcionários da rede 8.750 certificados de técnicos em Qualidade e Serviços.Desde 1997 a empresa vem freqüentando o Guia As 100 Melhores Empresas para Você Trabalhar, publicado pelas revistas Exame e Você S/A .

Em 2003, ficou entre as cinco Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil, segundo o ranking do Guia Exame e, em 2001, foi considerada a Melhor Empresa.

Em 2004, foi incluída pela Você S/A entre as 100 Melhores Empresas da América Latina para Trabalhar. Como reconhecimento dos mais importantes empresários do País, em 2004 e 2005, recebeu o Prêmio DCI - As Empresas Mais Admiradas do Brasil."


Hoje encaminhei formalmente a denúncia ao McDonald´s. E estou determinada a ouvir alguma resposta.


Crédito da imagem: retirada da internet.

1 comment:

Poivrier said...

Quando estava no colégio, havia alguns amigos que trabalhavam no McDonald´s. Os relatos nunca foram bons.

A cena que você presenciou é muito triste. Não entendo como é possível que a empresa tenha sido indicada como uma das cinco melhores para trabalhar...

Espero que a resposta venha, e que não seja uma piada como o texto institucional.