Saturday, October 28, 2006

Vitória-régia, Internet e Molecada

Uau! Escrevo do mais novo centro de internet via satélite da floresta paraense! As 60 famílias que moram em Cachoeira do Aruã têm disponível uma natureza exuberante, energia elétrica por conta de uma mini-central hidrelétrica e internet rápida. Aqui eu dei uma Oficina de Comunicação para informatizar o jornalzinho local, o "Folha de Aruã". Oito jovens repórteres participaram e foi outra super rica experiência para mim. Normalmente, o jornal é feito a mão, reunindo também desenhos e poesias. Depois de pronto, é enviado de barco até Santarém para ser xerocado e depois volta pra comunidade. E olha que são, no mínimo, doze horas de barco. É desta forma que funciona toda a Rede Mocoronga de jornais comunitários. Antes que você pense besteira, mocorongo é quem nasce em Santarém. O pessoal fica tão grato em receber os conhecimentos, são tão calorosos, que eu penso que coragem, mesmo, é deixar de vir para Amazônia! A boa notícia do dia: o Leonardo chega no dia 21 de dezembro!!!! E já sinto tantas saudades... arf arf

Eu ía escrever mais na última vez, mas nem conto que no mesmo dia que cheguei de viagem da comunidade de São Francisco, me chamaram para vir até Cachoeira do Aruã continuar o treinamento. Vim feliz, claro! No caminho, muitos imprevistos. O motor da "voadeira" (pequena lancha) do Saúde e Alegria quebrou. Contratamos um tiozinho para nos trazer em um barquinho (chamado de rabeta) que encalhou váaarias vezes porque o nível do rio está baixíssimo por conta da seca. Para se ter uma idéia, eu até saí do barco para fazer xixi e embarquei de novo. A noite veio e nada da gente chegar. Encalha, empurra o barco, procura o "canal", encalha, aaaaaaaaaa. Por milagre apareceu um pescador que nos guiou em frente. Tive certeza de que por esses lados, a tal "previsão de chegada" é sempre furada.

Vocês já ouviram falar em "pousada de rede"? Pois estou numa delas. Você paga para dormir em um varandão, sem paredes, e com apenas ganchos para colocar a sua rede de dormir. Estilo de vida paraense. E alguém já viu quarto de hotel sem janela?! A-há! Andei procurando lugar para ficar em Santarém e, pasmem, cobra-se R$ 1.200,00 de diária por mês para ficar em um quarto single, sem janela, com cheiro de mofo, uma TV, frigobar e ar-condicionado. É de cortar os pulsos.

Três novas frutas goela baixo: juru (que não tem gosto de nada); muruci (um azedinho estranho) e ingá (delicioso!). Comer tapioca no café da manhã já é de praxe. Com suco de açaí. Hmmmm

Resolvi ficar mais uns dias por aqui com outros amigos, que viajam de veleiro. O Fábio é o médico do Saúde e Alegria e está aqui junto com a esposa Adriana, um casal de franceses, o Zé e a filha Jacira e uma inglesa. Todo esse grupinho animado viajou ontem até São Francisco do Alto Aruã. Mais um sonho realizado: viajar por rios estreitos, vendo a mata virgem, pássaros... (Sabe aquelas cenas do Rambo procurando os vietcongs escondidos pela selva? HAHHAHHAHAH)

Eleições 2006! Vou esperar a urna eletrônica itinerante para justificar. Que vença o Lula!
Volto pra terra firme na terça ;) Publicarei muitas fotos, prometo. Enquanto isso, muito banho de cachoeira e brincadeiras com a molecada.

Frase do dia: "Por que sou tamanho do que vejo. E não do tamanho da minha altura" Fernando Pessoa

1 comment:

Ana Tomasia said...

Legal, Carline ! Bom te ver assim tão animada. Minha intenção de ir continua de pé.se v. tiver condição de me ´madrinhar`, tô nessa!!!!bjs, Ana