Tuesday, May 16, 2006

Caos em São Paulo

Ontem, às duas da tarde, recebi uma ligação cancelando o meu curso de filosofia budista de toda segunda à noite. - Por quê? , perguntei decepcionada, pois adoro essas aulas, - não me diga que é por causa da guerra urbana?
- Sim, justamente. Acabaram de balear outro policial na Rua Maranhão.
- Putz!

Fiquei realmente chateada com o cancelamento da aula. Percebi então o quanto estava sendo egocêntrica. Dezenas de pessoas sendo vítimas do crime organizado e eu preocupada em saber se o Instituto iria repor a aula! Por que a gente é assim?

A questão é que vemos e ouvimos a matança pela TV, rádio, jornais e damos graças que os ataques ainda acontecem na zona leste, ou em Taboão da Serra... Nada em Pinheiros? Ufa! Isso talvez sirva para disfarçar o sentimento de impotência, já que pouco conseguiria fazer, pontualmente, para evitar os ataques.

Às quatro da tarde, a maioria das empresas deu o toque de recolher aos funcionários e o tumulto nas estradas foi impressionante. Para meu azar, estava em uma reunião na Avenida Paulista, onde não havia um só táxi vago e os helicópteros sobrevoavam sem trégua. Pensei em pegar o metrô até em casa, mas havia um boato de que tinham metralhado a estação Vila Madalena.

Comecei a descer a pé pelos Jardins, observando a impaciência das pessoas na fila do tráfego e, principalmente, dos que dependiam de ônibus que deixaram de circular. Após algum tempo, consegui um táxi, mas que após uma hora de trajeto não conseguia avançar mais que meio quilômetro a cada cinco minutos. Paguei o taxista e decidi ir caminhando pela Rua Groelândia. Depois de 20 minutos, percebi que estava indo na direção errada! Como sou tansa! Volta e meia volver e recomeça a tentativa de chegar em Pinheiros. Definitivamente, a falta de senso de direção dificulta a operação salve a sua pele!

O comércio todo fechado, a noite chegando, a bolha no pé esquerdo começando a arder. Feito cidade-fantasma, os habitantes de Sampa se recolheram dentro das casas, a mercê também de muitos boatos infundados que intensificaram o clima de medo. É incrível como o caos alimenta a energia de muitas pessoas, que não perdem a oportunidade para aumentar os infortúnios. Pensei no temor generalizado dos americanos após os atentados ao World Trade Center ... difícil mesmo manter a paz interna com esse sentimento de insegurança.

Espero que o lado humano da humanidade consiga restaurar a paz nesta megalópole um tanto quanto desbaratinada.

Para ler notícias atualizadas da guerra deflagrada pela organização PCC (Primeiro Comando da Capital), clique aqui. Até hoje de manhã, ocorreram 91 mortes em 191 ataques de criminosos contra a polícia e rebeliões em presídios desde a última sexta-feira (12/05). Ficaram feridas 49 pessoas, e 98 suspeitos foram presos.

3 comments:

Debora said...

Carline querida! Somente hoje vi o teu recado no meu multiply. Bom saber de ti. Temporariamente estou sem acesso aos orkuts e multiplys da vida, mas o canal continua aberto via email: deborasanches@gmail.com
Um beijo pra ti e outro pro Dudu
Debora

Walter de Sousa said...

Mas eu acho que o segredo de tudo é manter a paz interna, não se deixar levar pela onda de pânico, pois, como vimos, foi um medo infundado, baseado na boataria. Se recusar ao medo e manter a paz. Ou melhor, gerar a paz a partir desse estado de paz interna.
P. S. - Isso mesmo sob o frio das geleiras...

Cinthia said...

Irmazinha, to tentando acompanhar as noticias... fique bem e um bjoooo grande!!! mais uma vez... NINGUEM MERECE MORAR EM SAO PAULO :)