Sunday, January 04, 2009

A gente se vê... em Sampa!

Na despedida do retiro da Montanha Encantada, a clássica troca de contatos com as pessoas que tivemos mais afinidades no grupo, procurando amenizar o sentimento de quero mais. Ok, eu e você sabemos que o evento foi único e que dificilmente a vida reunirá as mesmíssimas pessoas em um contexto parecido. Mesmo assim é inegável o prazer de poder facilitar a oportunidade de te chamar para uma caminhada no Villa Lobos ou beber um chopp escuro no Filial.

Aliás, encontrei mais uma grande vantagem de morar na maior cidade do Brasil: é só comparecer em um evento zen no meio da natureza para perceber que boa parte do grupo veio de São Paulo (um brinde ao trânsito caótico?!). Ou seja, a gente faz novos amigos e tem o privilégio de, na despedida, poder dizer: até breve! Vamos poder continuar aquele papo sobre antroposofia, iyengar yoga e zona cerealista.

Ao escrever meu nome e telefone de contato no papelzinho alheio, costumo ponderar se vale a pena incluir o endereço deste blog. Fica sempre aquela pontinha de culpa de quem deveria ter atualizado de forma mais constante os acontecimentos e, principalmente, arranjado alguma aventura recente capaz de cativar o novo amigo/leitor (o que não é lá muito o caso, neste exato momento). Mais ou menos o que a minha mãe sente antes de chamar uma visita lá pra casa. Será que a sala está arrumada e tem biscoitinhos e suco para oferecer?

No mês passado, vi uma palestra sobre mídias e redes sociais, que tratou, inclusive, de como fazer um blog autêntico e interessante o suficiente a ponto de fidelizar leitores e promover transformações, comunidades de troca de experiências... Uma dica era divulgar o espaço no Orkut, o que eu já torci o nariz, por vários motivos, primeiro: nunca tive Orkut justamente porque faço questão de não deixar o meu rastro tão visível a ponto dos coleguinhas de Colégio Cônsul Carlos Renaux (em Brusque) me acharem e começarem a perguntar como é que eu tenho passado (eles não aceitariam uma breve resposta a la “Estou bem, obrigada” e eu já não tenho o tempo que gostaria para ficar com os meus amigos atuais, imagina só os antigos); segundo: ainda não tenho nenhuma pretensão de transformar este chuchuzinha em um ponto de encontro de novidades e curiosidades de nenhum determinado tema, além, claro, dos devaneios carlinísticos que conseguem uma modesta e um tanto quanto fiel média de 30 visitas diárias, de gente como você, que não faço idéia de quem seja, já que recados e comentários são iguarias escassas (e muitas apreciadas, vale frisar). Simone, você está no topo do ranking da simpatia.

De vez em outra, recebo uns e-mails interessantes, de pessoas pedindo dicas de viagem, dicas de leituras, dicas de vida. Eu respondo, claro, embora sempre considere que existam pessoas bem mais gabaritadas para todas essas tarefas (ok, talvez não com o meu senso de humor).

Enfiiiiim, surgiu 2009 (U-hu!) e eu celebro com você a empolgação de estar quase em 2010 (prefiro décadas fechadas, números redondos, mais polpudos) hehehe. Estou feliz de estar em Sampa, cuja segunda grande vantagem que merece ser comentada é a possibilidade linda de viver no mais completo anonimato. Gente, eu adoro ser qualquer-um-em-São-Paulo.

Logo após o Natal, em um barzinho de reggae em Mariscal (SC), encontrei um conhecido meu lá de Brusque que fez a costumeira pergunta: como você ter coragem de viver lá? Me perdoe, querido, mas coragem verdadeira é viver em Brusque.

Um Feliz Ano Novo, em Sampa!

2 comments:

Anonymous said...

saudades! pena que nao rolou uma parada em Floripa na volta deste lugar tão especial. Viva 2009! E que 2010 chegue logo para você celebrar o ano redondo hehe Beijos, Tati

Caroline said...

Amei esse texto!
Deve ser pq sou de Brusque!