Saturday, September 02, 2006

E por falar em viver...

" 'Onde', pensou Raskólhnikov, continuando o seu caminho, 'onde é que eu li aquilo de um condenado à morte que no momento de morrer dizia ou pensava que se o deixassem viver num alto, numa rocha e num espaço tão reduzido que mal tivesse onde pousar os pés - e se à volta não houvesse mais que o abismo, o mar, trevas eternas, eterna solidão e tempestade perene -, e tivesse de ficar assim, em todo o espaço de um archin, a sua vida toda, mil anos, a eternidade... preferia viver assim do que morrer imediatamente? O que interessa é viver, viver, viver! Viver, seja como for, mas viver! O homem é covarde!"
(Crime e Castigo, página 150)

Escrevo da casa da Talia no Campeche, uma das praias mais bonitas de Floripa (andando-se pelas areias de Joaquina chega-se aqui). Passei a tarde no Festival Internacional da Paz. As atividades na UFSC estavam bem pacíficas (pra não dizer paradas, sem quase ninguém, mesmo). Participamos de uma vivência de Jin Shin Jyutsu... caramba, um google urgente!

"Jin Shin Jyutsu é uma arte milenar de harmonização da energia vital, que foi reavivada no início deste século por Jiro Murai, um sábio japonês". Clique aqui para o resumex. Bom, era um tal de colocar a mão direita na cabeça e a esquerda em cima dos chakras e mentalizar a cura. No auge do momento, a única energia que eu senti foi o meu braço direito dormente pelo tempo levantado. Acho que terei que dar mais uma chance para a técnica milenar no futuro.

Bom, chega de papo porque tá na hora do cuba libre no John Bull. Lagoa da Conceição, estou indo!

1 comment:

Pepe said...

Uau!
Obrigado por compartilhar esse momento.
Adoraria estar aí.
Saudades.
Beijo.