Wednesday, September 27, 2006

Enfrentando agulhas

Ver sangue e agulhas de injeção. Ou eu desmaio ou, no mínimo, sinto um desconforto muito grande. Essas coisas que Freud, Jung e Lacan poderiam até explicar bem o porquê, mas resolvi não esperar essas respostas para enfrentar o medo. Para tratar de uma bursite no ombro, sem precisar usar remédios, sobrevivi à primeira sessão de acupuntura.

Desculpe-me o clichê, mas o que não se vê, o coração não sente (tanto). Vedei meus olhos e respirei ao sentir o solavanquinho das finas agulhas penetranto o braço. Sensação estranha ficar imobilizada por 40 minutos, percebendo a área começar a formigar, o fluxo do sangue ficando mais intenso. Circulação a jato de prana (energia vital)! O que me deixa cada vez mais confiante é perceber que a melhor maneira de enfrentar nossos medos é simplesmente respirar profundamente e perceber a impermanência do momento. Tudo passa!

Terminada a sessão, uma fadiga muito grande. Até perdi a festa dos Jornalistas&Cia (ahhhhh). No ano passado, a Cilene até foi sorteada e ganhou passagem gratuita para qualquer lugar do Brasil :)

Amanhã tem mais agulha!

Com a palavra, o
Instituto Brasileiro de Medicina Tradicional Chinesa:
"Na prática, a acupuntura funciona assim: são colocadas finíssimas agulhas em determinados pontos do corpo, que ativam no cérebro a produção de substâncias que atuam como analgésicas, antiinflamatórias e antidepressivas – como a endorfina, o cortisol e a serotonina, respectivamente. Ao entrar na pele, a agulha provoca uma microinflamação, que aciona a produção natural dessas substâncias. Desta forma, a resposta do organismo é mais rápida, diminuindo de vez a intensidade dos sintomas. Muitas vezes, fazendo-os até desaparecer".

4 comments:

Lu Tie, a noiva de Chéri (isso da um filme de horror?) said...

Parabens, querida mestre!
Estou muito orgulhosa de vc!
Eu tb DETESTO agulhas, mas num esforço parecido com o seu, tento sempre doar sangue no HC. Doi, eles sempre tem dificuldade em achar minha veia, implicam com meu peso e me sabatinam com questoes comprometedoras; mas eu acho q a causa vale a pena.

Um VIVA para nos, mulheres corajosas!
E modestas, claro!

Beijos
Lu

Anonymous said...

A mais nova frase do meu mural de cortiça:
"O que me deixa cada vez mais confiante é perceber que a melhor maneira de enfrentar nossos medos é simplesmente respirar profundamente e perceber a impermanência do momento. Tudo passa!"

Obrigada, minha linda!
Estava (estou!) precisando!

Um beijo,
Mariane.

Carline :) said...

Resposta pra Lú: acho que levará mais uma década para eu conseguir ter coragem de doar sangue. Mérito pra minha irmã mais velha que está num processo de doação de medula óssea para ajudar uma vítima de leucemia. Sim, parabéns para as corajosas.

Resposta pra Mari: queria tanto que vc começasse a escrever o seu jeito de enxergar a vida... saudades!

Anonymous said...

Sim mana!!! To bem corajosa... até o momento foram 4 bolsas de sangue e uma auto transfusão, na qual desta última vez fiquei das 8 e 30 da manha até às 13 e 30 no banco de sangue!!!ai jesusssssssss ganhando tres furos de agulha!!
A doação é quarta , estamos indo p Curita na terça de manha!! Torce por mim , agora é p valer!!!bjos e te amo!!!
Kelly